Passeio!

Final de semana passado nós fomos passear. O papai teve um encontro dos estudantes de PhD em teologia daqui da Andrews e ele pôde levar a gente! Foi em uma cidadezinha próxima daqui, num lugar beeem gostoso. Passamos 4 dias lá. Foi muito bom. Ficamos sem o Felipe a maior parte do tempo, porque ele estava participando de reuniões, mas apesar disso a gente curtiu muito. Tinha lago, areia, parquinho, muitas árvores e alguns bichinhos. E o clima estava maravilhoso. Dava até pra sair com uma blusinha fina (presente de Deus para aqueles dias especiais, porque na segunda-feira já nevou de novooooo…). De tudo, eu acho que o que o Miguel mais gostou foi de 2 sapos que encotramos na beira do lago. Foi a primeira vez que ele viu um sapo. Ele ficou impressionado e não queria sair de perto do buraco onde os bichinhos moravam. A primeira coisa que falava quando a gente ia sair do quarto era do “plaplá” (era assim q ele falava sapo, mas agora que ele já tem muito mais experiência com o bicho, ele chama de “plato”). Não queria nem ir comer pra ver o “plaplá”, o que no caso do Miguel é algo bem difícil de acontecer porque costuma trocar qualquer coisa por comida. Até que no último dia o sapo se irritou e foi embora nadando no lago. Demos tchau e foi uma ótima despedida. Agora ele ainda lembra do “plato” e fala que “foi bola”, “o gaaaande e o piniquinho” (porque tinha um grande e um pequenininho).
Acho lindo como ele tem uma mente impressionável. Por isso que busco tanto encher a cabecinha dele de coisas boas, pra ele se impressionar com o que é bom. O resto, ele vai aprender quando crescer, né?
Na foto, estão ele e o amigão Benjamin, correndo lá no local onde foi o retreat. O Benjamin só passou uma manhã lá, mas foi o suficiente pra eles brincarema um tanto. Quando se encontram, uma já olha pro outro e sorri, como que dizendo “vamos aprontar?!”. E quem tirou a foto, foi a mãe do Benjamin, a Paula, uma fotógrafa fora de série. O blog dela é madeinjordan.tumblr.com

20140417-212926.jpg

Anúncios

Corujice

Ok, agora vou dar uma de mãe coruja, mas preciso compartilhar isso porque não estou me contendo de alegria. Há mais ou menos umas 2 semanas comprei uma letra M pra decorar o quarto do Miguel. Falei pra ele que era M de Miguel. Ele gostou do enfeite. Uma semana depois, ele estava brincando com uma caixinha de letrinhas imantadas e de repente saiu correndo gritando “mamãe, Miguel!”. Quando vi, ele tinha na mão um W, virado ao contrário (então um M). Ele correu pro quarto dele e pegou a letra M que eu tinha comprado e colocou um do lado do outro pra me mostrar que era a mesma letra. Quase chorei de alegria.
Depois disso, mostrei na caixinha a letra C, que é do nome da mamãe (que ele ainda não assimilou que é Camila) e o F, que é do nome do papai (que ele já chama de Fê, porque me vê chamando).
Ok… O tempo passou e hoje ele me surpreendeu mais uma vez. Enquanto “lia” um livrinho, me mostrou um M e falou “Miguel, igual…”. Querendo dizer que era igual o M do Miguel. Depois de um tempo veio mostrar o C da mamãe. Então eu ofereci ajuda pra achar o F do papai, que ele não estava encontrando. Ele ficou muito feliz em achar a letra de todo mundo. E a mamãe babando de amor. Gente, ele só tem 1 ano e 10 meses! E eu nunca procurei ensinar esse tipo de coisa pra ele. Ele se interessou sozinho. Vou continuar não ensinando porque acho ele muito novinho ainda, mas já deu pra sentir que ele gosta da coisa.
Abaixo está a foto que tirei da letrinha que ele achou na primeira vez, e ao lado da letrinha estão duas pecinhas do quebra -cabeça que ele montou sozinho também.

20140402-125755.jpg

Bebês quase trilingues

Nosso bebê começou agora a aprender uma terceira língua: norueguês. Temos um casal de amigos muito especiais que são noruegueses, e eles tem uma filhinha muito linda e sorridente que é só um pouquinho mais nova que o Miguel. Já faz algum tempo que, pelo menos uma vez por semana, a gente se reúne pra eles brincarem. Até esses dias, eles não mostravam muito interesse em conversar, porque ambos eram “bebês”. Agora que são “grandes”, começam a tentar se comunicar. Ela está aprendendo umas palavrinhas em português, ele, umas em norueguês, e ambos arranham outras em inglês. Além disso, eles tem uma outra linguagem em comum, a do abraço. Ambos são muito sensitivos. Hoje eles brincaram um monte, riram um monte e se abraçaram um monte. É muito engraçado e muito lindo de se ver. .

Cancelaram a primavera!

Hoje eu acordei, toda feliz pra mais um dia lindo de primavera, e quando olhei pela janela, tinha caído muita neve durante a noite… Muita! Até ontem a maior parte do gelo já estava derretida… Me senti tão frustada… Senti algo como “perdi todo o trabalho das últimas semanas”. Não, eu não fiquei derretendo neve nas últimas semanas, mas eu estava suportando ver um pouco de gelo, dia após dia, porque tinha colocado na cabeça que ia só melhorar. Quando vi tudo branco só podia pensar que fui trapaceada. Como disse uma amiga, cancelaram a primavera, vamos esperar agora pra ver se vai ter verão.
E o Miguel… Me sinto menos mal por perceber que ele ainda nem entende muito bem toda essa loucura. Só olhava pela janela hoje e falava “nébi” (neve). Mas a mamãe aqui batalha muito pra não deixar ele pagar o preço por termos vindo morar num lugar com esse climinha miserável… Cada dia invento uma coisa. Hoje passei um tempão brincando de carrinho com ele. Até que foi divertido.

Canudinho X peniquinho

Hoje fomos almoçar na cafeteria da Universidade. A gente gosta de ir lá de vez em quando. A comida não é muito saborosa, mas é saudável. Por aqui ainda não conseguimos encontrar muitos restaurantes que realmente gostamos. Sentimos muita falta da comida brasileira, do gostinho artesanal e da variedade.
Mas falando de hoje… Enquanto a gente comia, me levantei para pegar mais algumas coisas e o Miguel pediu “fufu” (suco). Estava saindo pra pegar e ele me lembrou do “piiquinho”. Pediu pra eu pegar o “peniquinho”. Na verdade queria dizer pra eu não esquecer o “canudinho”…rsrs

Papo com a vovó

Conversa da vovó com o Miguel pelo skype…

– “Miguel, como a mamãe chama?”
– “Mamãaaaaaaaae” (gritando)
– “E como o papai chama?”
– “Papaaaaaaai” (gritando de novo)

Ele ainda não entendeu a diferença entre “como chama a mamãe” e “como a mamãe chama”. Foi só pra rir.